AS PREFERÊNCIAS DOS ELEITORES

PREOCUPAÇÃO

Cada vez que uma pesquisa de intenção de voto é divulgada, independente do Instituto que fez o levantamento momentâneo, a mídia e boa parte dos eleitores só mostram uma preocupação, qual seja a de apontar qual candidato está na frente e quais têm maiores chances de chegar ao segundo turno.

SENTIMENTO

Como se sabe, o sentimento que o resultado de uma pesquisa provoca, ainda que represente uma -fotografia momentânea- da corrida eleitoral, é: 1- de alegria para quem está na ponta; e, 2- o sentimento de tristeza e preocupação para aqueles que esperavam alguma evolução.

RESPOSTAS IGNORADAS

Enquanto estes sentimentos mexem com a cabeça dos presidenciáveis, seus assessores e grande parte dos eleitores que já se decidiram pelos seus candidatos, muita coisa importante que aparece nas respostas fornecidas pelos eleitores-pesquisados deixa de ser vista, analisada, entendida e estudada.

POUCA OU NENHUMA IMPORTÂNCIA

Pois, independente do lamentável fato de que 37,3% dos eleitores brasileiros se mostram dispostos a votar no condenado Lula, responsável direto pelo aumento desmedido da CORRUPÇÃO e pelo CAOS ECONÔMICO E FISCAL do nosso empobrecido Brasil, para presidente, segundo informa a pesquisa CNT/MDA, divulgada ontem, pouca gente deu pouca ou nenhuma importância ao que os eleitores mais querem do seu presidente.

PREFERÊNCIA

A maioria prefere um líder que seja:

1- CONTRA A LIBERAÇÃO DO PORTE DE ARMAS;

2- A FAVOR DA REDUÇÃO DE PRIVILÉGIOS DE SERVIDORES PÚBLICOS E POLÍTICOS;

3- A FAVOR DA REDUÇÃO DE IMPOSTOS;

4- CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DE ESTATAIS; e,

5- CONTRA A DISCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO.

PRIVATIZAÇÕES = REDUÇÃO DE PRIVILÉGIOS

Estas importantes revelações precisam ser melhor encaradas pelos presidenciáveis para que melhorem a sua argumentação das propostas que aparecem nos seus PLANOS DE GOVERNO. Vê-se por exemplo, que é preciso vender bem a ideia de que as PRIVATIZAÇÕES SÓ FAZEM BEM AO POVO. Mais: está ligada, diretamente, ao que consta no item 2 de preferências acima, onde os eleitores se dizem a FAVOR DA REDUÇÃO DE PRIVILÉGIOS E SERVIDORES PÚBLICOS E POLÍTICOS. Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • RISCO-BRASIL CRESCENDO

    Diante da indefinição sobre o próximo governo - e, consequentemente sobre a política econômica a ser adotada a partir do próximo ano - a percepção de risco dos investidores internacionais em relação à economia brasileira está crescendo muito. Entre as principais economias latino-americanas, o crescimento do RISCO-BRASIL só perde para o RISCO-ARGENTINA.

  • PARCERIA ZAFFARI/MIDEA

    No mês de agosto, as unidades dos hipermercados Bourbon Canoas, Country e Ipiranga, pertencentes ao Grupo Zaffari, recebem o Espaço Midea, showroom apresentando uma cozinha completa montada com produtos da marca. A ação tem como objetivo aproximar dos consumidores gaúchos os itens desenvolvidos para equipar a casa e que trazem maior praticidade para o dia a dia. Além disso, serão realizadas ações de degustações com receitas preparadas nos eletroportáteis Midea.
    Faz parte da cozinha do Espaço Midea a linha de embutir composta por microondas, fornos, cooktops, coifa e eletroportáteis (fritadeira sem óleo, panela elétrica de pressão e panela elétrica). "Nossa proposta é oferecer uma experiência ao consumidor e aproximá-lo dos nossos produtos. Ao interagir com os itens, fica mais fácil para o cliente definir como montar a cozinha ideal", explica o gerente de marketing da Midea, Maurício Portella.

  • EXPOAGAS 2018

    Hoje, terça-feira (21), inicia a Expoagas 2018.
    O presidente da Agas e outras fontes estarão à disposição para atendê-los. Como de praxe, as palestras magnas são pela manhã, e a feira de negócios abre às 12 horas nos três dias.

    A equipe Agas estará, com o suporte da Enfato Comunicação, esperando todos para apontar as novidades, tendências e destaques da Expoagas 2018.
     

FRASE DO DIA

O Brasil e a Argentina parecem dois bêbados cambaleantes a cabecear nos postes. Só que, enquanto a Argentina parece estar a caminho da economia de mercado, o Brasil parece estar de volta ao bar.

Roberto Campos