Frase do dia

  A solução do governo para um problema é usualmente tão ruim quanto o problema.  

- Milton Friedman

Artigos


15 jul 2024

BRASIL x NOVA ARGENTINA


PAULO GUEDES EM MARÇO DE 2021

Antes de tudo, vale lembrar que em março de 2021 o então ministro da Economia, Paulo Guedes disse, em entrevista que concedeu ao Primocast (Podcast oficial do Primo Rico), que o Brasil pode virar uma VENEZUELA ou ARGENTINA se tomar decisões erradas na economia. -Para virar a ARGENTINA, seis meses; para virar VENEZUELA, um ano e meio. Agora, se quiser virar ALEMANHA ou ESTADOS UNIDOS aí são necessários dez, quinze anos na outra direção”.


NOVA VERSÃO

Hoje, com a eleição de Javier Milei como presidente da ARGENTINA, e principalmente por conta de suas importantes decisões, Guedes, se fosse novamente entrevistado, diria, certamente, que o Brasil já virou uma VENEZUELA. Quanto à ARGENTINA, no entanto, o ex-ministro diria que nosso vizinho país, com Milei à frente, mudou radicalmente de rumo, dando início, de forma -FIRME, GRADUAL E SEGURA-, à caminhada que é trilhada pelos seletos países que integram o PRIMEIRO MUNDO. 


DIFERENÇA GRITANTE

Como corretamente apontou a jornalista Rose Amantéa, da Gazeta do Povo, enquanto a ARGENTINA, mergulhada em uma crise originária do PASSADO PERONISTA e que deve se refletir em uma queda de 2,5% no PIB neste ano, segundo o FMI, está ARRUMANDO AS CONTAS PÚBLICAS, o BRASIL cuida, com carinho de DESARRUMAR A CASA. Para quem não sabe, a ARGENTINA vem registrando SUPERÁVITS PRIMÁRIOS (quando as receitas superam as despesas, excluídas as com juros da dívida pública) há cinco meses. Enquanto isso, o Brasil não registra SUPERÁVIT PRIMÁRIO desde ABRIL. 


IMPOSTOS

O que mais chama a atenção na trajetória dos dois países é que a ARGENTINA comandada por Javier Milei, está apostando todas as fichas no CORTE DE IMPOSTOS. Enquanto isso, o BRASIL francamente DESGOVERNADO por Lula, SÓ TEM OLHOS E MENTES VOLTADOS PARA MAIS ARRECADAÇÃO. 



Leia mais

Patrocínio:

12 jul 2024

EFEITOS DE UMA DESORDEM FISCAL


DESORDEM FISCAL

Por mais que o DESEQUILÍBRIO FISCAL seja um tema bastante árido e como tal de difícil entendimento tanto para a grande maioria da nossa população quanto para praticamente todos os meios de comunicação, esta clara e preocupante situação que o Brasil está vivendo, sob o comando -prazeroso- do governo Lula, volto a insistir no assunto na esperança de que mais brasileiros entendam que as consequências produzidas pela DESORDEM FISCAL são desastrosas. 


PÉ NO ACELERADOR DAS DESPESAS

Pois, antes de tudo, para que fique bem claro, RISCO FISCAL se manifesta, matematicamente, através do DESEQUILÍBRIO ENTRE RECEITAS E DESPESAS DO GOVERNO e, por consequência, pela PREOCUPAÇÃO DE QUE O GOVERNO NÃO CONSIGA HONRAR SUAS OBRIGAÇÕES FINANCEIRAS. Mais: a TAXA DE DESEQUILÍBRIO FISCAL cresce na medida em que o GOVERNO, ao invés de conter a encrenca, resolve colocar o pé no acelerador das DESPESAS PÚBLICAS.


RISCO-PAÍS

Para quem ainda não sabe, a capacidade do governo de pagar suas dívidas é constantemente avaliada e pontuada pelos agentes econômicos. Como tal, o RISCO-PAÍS espelha, numericamente, o grau de possibilidade dos governos poderem honrar com seus compromissos. Ou seja, quando A TAXA DE RISCO-PAÍS aumenta, os investidores (pessoas ou empresas que financiam governos comprando títulos públicos) passam a PERDER A CONFIANÇA na capacidade do governo de honrar suas dívidas e manter a estabilidade econômica. Esse sentimento ruim faz com que aumente as RETIRADAS dos recursos do país, que por sua vez provoca, pelo efeito DEMANDA, o aumento da cotação do DÓLAR.


CICLO VICIOSO

O que precisa ser enfatizado é que a DEPRECIAÇÃO DO REAL EM RELAÇÃO AO DÓLAR, tem EFEITO IMEDIATO NA ELEVAÇÃO DE PREÇOS DE INÚMEROS PRODUTOS IMPORTADOS. E, para conter esta situação o BANCO CENTRAL -INDEPENDENTE- é forçado a AUMENTAR AS TAXAS DE JUROS (SELIC). Pois, estas importantes e necessárias decisões tomadas pelo BC, infelizmente, são tratadas sistematicamente pelo presidente Lula através de xingamentos ao presidente do BC, Roberto Campos Neto, que se esforça diariamente para manter o tal de EQUILÍBRIO FISCAL. Vou mais além: caso o RISCO FISCAL siga em MODO ALTO, nem os aumentos da TAXA SELIC se mostrarão capazes para estabilizar a moeda, resultando, assim, em um CICLO VICIOSO DE DEPRECIAÇÃO CAMBIAL E INFLAÇÃO EM ALTA, como aliás, o país já viveu no passado recente.


ESPAÇO PENSAR+

No ESPAÇO PENSAR+ de hoje: O SONO DOS INJUSTOS, por Percival Puggina. Confira aqui: https://pontocritico.com/espaco-pensar



Leia mais

11 jul 2024

LEIS E SALSICHAS...


PRÊMIO AOS TEIMOSOS

Gostem ou não, o fato é que ontem à noite a Câmara dos Deputados aprovou, por 336 votos favoráveis, 142 contrários e 2 abstenções, o maligno texto-base que -REGULAMENTA- a lamentável REFORMA TRIBUTÁRIA, a qual, para infelicidade geral da Nação brasileira, PREMIA os teimosos que se propõem a PRODUZIR, CONSUMIR E/OU PRESTAR QUALQUER TIPO DE SERVIÇO com uma CARGA TRIBUTÁRIA ainda mais pesada.  


SALSICHAS E LEIS...

O que aconteceu na noite de ontem, para que os leitores/eleitores saibam, foi muito bem observado pelo aguerrido deputado federal Marcel Van Hattem: - Faltando 30 segundos para abrir o painel de votação, o novo texto da "reforma tributária" foi protocolado. Aberta a votação, QUASE NENHUM DEPUTADO SABIA O QUE ESTAVAM VOTANDO. Nem eu. Votei contra. Mesmo assim, ganhou o SIM e está aprovado o texto ainda desconhecido. SALSICHAS E LEIS... 


RS E SC

Pois, mesmo assim, a título de curiosidade e/ou comparação entre os estados o RS, cuja maioria dos eleitores tem enorme simpatia pela ESQUERDA, e SC, cujos eleitores em geral preferem a DIREITA, os votos dos deputados foram na seguinte direção: enquanto 17 parlamentares (grande maioria) do RS votaram a FAVOR do MALIGNO TEXTO-BASE e 14 CONTRA, em SC apenas 6 deputados (minoria) votaram a FAVOR DO MALIGNO TEXTO-BASE e 10 votaram CONTRA. Que tal? 


GAÚCHO GOSTA DE TRAGÉDIAS

Como se vê, infelizmente, a maioria do povo gaúcho dá nítida impressão de que GOSTA DE TRAGÉDIAS. Como tal acreditam, piamente, que QUANTO MAIOR A TRIBUTAÇÃO, MELHOR PARA O ESTADO E SEUS CIDADÃOS. De novo: os deputados do RS até podem alegar que votaram sem saber do que se tratava, mas os eleitores, notadamente os leitores do PONTO CRITICO, não têm este direito. Até porque foram constantemente avisados. 


ESPAÇO PENSAR+

Texto do pensador Roberto Rachewsky

 

NÃO EXISTE CAPITALISMO DE COMPADRIO
O que existe é compadrio entre o governo e as corporações para acabar exatamente com aquilo que o capitalismo tem de melhor: igualdade perante a lei, livre iniciativa e respeito à propriedade privada.
No capitalismo, todo compadrio entre governo e corporações é combatido. Se as relações promíscuas entre o governo e seus compadres não forem combatidas, então os princípios e as regras vigentes naquele mercado não são as que caracterizam o sistema capitalista. Quando os laços de compadrio entre o governo e as corporações são institucionalizados, o sistema em vigor naquela sociedade é o fascista. Capitalismo de compadrio, capitalismo de laços ou capitalismo de quadrilhas são anti-conceitos utilizados para perverter e denegrir o termo capitalismo, dando a ideia de que essas práticas que caracterizam um regime fascista seriam uma decorrência do livre mercado e só encontradas onde há capitalismo. Nada mais falacioso, difamador e injurioso.
Repito mais uma vez: meus amigos, se vocês gostam de usar nos seus textos esses anti-conceitos, criados por quem não acredita no capitalismo, substitua-os pelo seu verdadeiro nome: fascismo.
Além de escreverem menos, utilizarão um conceito adequado para identificar de forma apropriada o que vocês querem dizer.
O compadrio típico do fascismo, que se caracteriza por relações promíscuas entre o governo e as corporações, é a prova de que ali, naquele mercado, ou o capitalismo nunca existiu ou, exatamente por essa prática, recém deixou de existir.
Cabe aos defensores do livre mercado, antes de qualquer coisa, protegerem também a precisão dos termos linguísticos que pós-modernistas tentam, dissimuladamente, perverter com o uso de anti-conceitos no debate ideológico.
O objetivo desse pessoal é prejudicar a formação conceitual, base do pensamento racional que encaminha a sociedade para o processo civilizatório.
Todo anti-conceito é uma forma de fazer a Humanidade regredir na sua caminhada em direção ao desenvolvimento e a privacidade, para levá-la de volta aos tempos das cavernas.



Leia mais

10 jul 2024

O COSTUMEIRO ATAQUE ÀS CONSEQUÊNCIAS


SENADOR INCONSEQUENTE

Mais do que sabido, o INCONSEQUENTE senador Rodrigo Pacheco gosta de dar provas claras de que tem enorme prazer em se mostrar como IMPRUDENTE. Ontem, para não fugir à regra, o presidente do Senado apresentou um projeto fantasmagórico e nada responsável, o qual, como ele mesmo afirmou, é a peça que faltava para -resolver- a crônica e indecente DÍVIDA DOS ESTADOS COM A UNIÃO.


RESOLVER O PROBLEMA

Literalmente, o CRIATIVO, MENTIROSO e INCONSEQUENTE Pacheco afirmou que o seu projeto é uma fórmula justa e muito equilibrada que tem todos os ingredientes para, de uma vez por todas, RESOLVER O PROBLEMA, garantindo a responsabilidade fiscal de não se afetar o estoque da dívida, mas permitindo que os estados se organizem para o pagamento dessa dívida. Que tal? 


UM ATAQUE ÀS CONSEQUÊNCIAS

Ora, antes de tudo bom seria que o INCONSEQUENTE presidente do Senado soubesse que o REAL PROBLEMA FINANCEIRO DOS ESTADOS, notadamente de MG, RS e RJ, está nas ELEVADAS E INJUSTAS DESPESAS. Vejam que mesmo impondo uma severa e criminosa tributação para quem produz e quem consome, esses estados se mantém sempre DEFICITÁRIOS, ou seja, nem mesmo a FÚRIA ARRECADATÓRIA se mostra suficiente para cobrir as DESPESAS. Ou seja, sem tirar nem pôr, caso o mau projeto de Rodrigo Pacheco vingar, certamente não será capaz de RESOLVER O PROBLEMA. Até porque ATACA APENAS AS CONSEQUÊNCIAS deixando totalmente em paz as CAUSAS. 


A VERDADEIRA CAUSA

Pacheco, assim como a maioria dos parlamentares, não têm discernimento suficiente para perceber que mesmo concedendo um PERDÃO DEFINITIVO DAS DÍVIDAS DOS ESTADOS, no mês seguinte, por conta das INCONSEQUENTES DESPESAS OBRIGATÓRIAS, que superam as ARRECADAÇÕES, provocando DÉFICITS CRÔNICOS NAS CONTAS PÚBLICAS, os governadores viajarão para Brasília para implorar por recursos suficientes para poder EQUILIBRAR AS CONTAS. Ora, dentro desta lógica inquestionável é mais do que certo que, definitivamente, o problema da inadimplência dos estados não está na TAXA DE JUROS, mas nas ABSURDAS DESPESAS OBRIGATÓRIAS que precisam ser honradas pelos governadores. Esta é a verdadeira CAUSA que Pacheco não enxerga.  


ESPAÇO PENSAR+

Texto do pensador Roberto Rachewsky

 

Quando dizemos para um niilista que suas políticas destruirão sonhos e oportunidades, é aí que ele fica ainda mais motivado a implementá-las. Todo niilista é 'terraplanista' no sentido de que gosta de ver terra arrasada, plana, patrolada, devastada. Se há algo de valor plantado ou construído para o bem da humanidade, o niilista não descansa enquanto aquilo não vier ao chão. Impedir o desenvolvimento e promover a decadência são dogmas que os niilistas seguem com fervor. O niilista é imoral, aético, invejoso e gosta de sacrificar os outros para saciar seus caprichos. Distribui migalhas para corromper os pobres e fortunas para corromper os ricos, obviamente com o dinheiro extorquido de todos. Niilistas são gananciosos, mas como nada produzem e ainda conspiram contra a prosperidade geral, são parasitas violentos e contumazes. Querem enriquecer obtendo ganhos imerecidos no mais curto espaço de tempo possível e em volume ilimitado. Assim como extorquem insanamente, gastam, o que obtiverem com o uso da força ou de fraude, desbragadamente. São como gafanhotos em lavoura de milho ou arroz, se alimentam da destruição.



Leia mais


Espaço Pensar +





GILBERTO SIMÕES PIRES

Formado em Administração, o comunicador de PENSAMENTO LIBERAL, nome de grande credibilidade na comunidade gaúcha, com ideias próprias e firmes, é defensor da economia de mercado e do fim de qualquer subsídio por parte do governo.

 

Gilberto Simões Pires iniciou sua carreira na área de comunicação em 1986, no Rádio. A seguir atuou como comentarista econômico na TVE (Mercado em Ação); na TV Guaíba (Câmera 2); no Grupo RBS (Rádio Gaúcha, RBS TV e Jornal Zero Hora); na TV Pampa (Pampa Boa Noite).
Após, na Rede Bandeirantes Porto Alegre, ancorou os programas -PRIMEIRO PLANO- na Band AM, e CONTROLE REMOTO na Band TV.
Por oito anos ancorou Programa -PONTOCRITICO.COM- no canal 20 da NET e, desde 2009, escreve diariamente a E-OPINION LIBERAL - PONTOCRITICO.COM- .


Em ambientes associativos é membro efetivo do Clube de Editores e Jornalistas de Opinião e coordenador da Sociedade Pensar+.

 

EQUIPE EDITORIAL

 

Editor: Gilberto Simões Pires
Assinaturas: Lúcia Pedroso
Para Anunciar: Cristina Sacks

Sites Interessantes