Artigos

05 nov 2004

A LÓGICA DO PT: RAZÕES PARA A DESCONFIANÇA


ESTE É O PT QUE CONHECEMOS

Um projeto maluco, perigoso e estúpido, de autoria do dep. Nazareno Fontelles, do PT do Piauí (só podia ser do PT), se encontra na Câmara dos Deputados. Tenho receio de que muitos parlamentares se deixem levar por suas atitudes irresponsáveis, de não comparecer no dia da votação, e acabaremos vendo aprovada esta monstruosidade. São coisas assim que aumentam a desconfiança no Brasil, tanto por estrangeiros, como, e principalmente, por brasileiros. Vejam:

EXPROPRIAÇAO SOCIAL

O Dep.Fontelles, do PT, quer estabelecer um Valor Máximo para cada família no Brasil gastar por mês, caso seja aprovado. Segundo a maluquice, caso os demais parlamentares aprovem a estupidez, ficará estabelecido pelo governo que, a partir de janeiro de 2005, os rendimentos mensais que ultrapassarem o valor determinado pelo governo (R$ 7.600,-/mês) irão para uma conta como empréstimo compulsório.

SAI, SATANÁS!

Seria uma conta especial de caderneta de poupança, em nome do depositante, denominada Poupança Fraterna, que durante 7 anos serão administrados pelas centrais sindicais e pelos \"sem terra\", entre outros, e serão devolvidos nos 14 anos seguintes, depois dos sete primeiros, com \"remuneração da metade da poupança atual\". Para quem não entendeu, significa tungar parte do nosso dinheiro, administrá-lo mal, e remunerá-lo pior ainda, devolvendo muito menos da metade do total. Isto, como se sabe, tem nome: é uma legítima expropriação social, típica de governos ditatoriais. Foi exatamente isto que todos temiam antes das eleições, agora transformado em projeto. Sai, Satanás!

PARTICIPAÇÃO MÍNIMA

O crescimento das nossas exportações neste ano é digno de nota e algo que precisa ser festejado, assim como o superávit da balança comercial, produzido pelo aumento maior das exportações enquanto que também aumentamos as nossas importações. O feito se reflete positivamente no nosso balanço de pagamentos, felizmente mais equilibrado. Contudo, ao examinar a nossa participação no comércio internacional, a nossa posição é lamentavelmente ínfima. Continuamos com 1% do comércio internacional. Se os esforços foram muitos, e foram, o resultado ainda é insignificante.

RASTREABILIDADE

Depois de tantas idas e vindas, o governo resolveu acabar com a obrigatoriedade de exigir a rastreabilidade dos bovinos e bubalinos nas exposições de animais no Brasil. Perfeito. É assim que precisamos viver e nos acostumar. Com menos obrigações legais, mais liberdade e diante das exigências do mercado. Quem vai exigir a rastreabilidade, podem ter certeza, serão os consumidores. E os produtores farão o que é necessário no seu devido tempo. Pronto. Hoje ninguém exporta sem esta condição. E, por decorrência disso, o nosso mercado interno vai também exigir tal providência, podem ter certeza.

GRUPELHO DO RIO

O Grupo do Rio tende a se identificar como um grupelho. Cheio de pretensões protecionistas, mas muito mais preocupados em se transformar num bloco comunista e não comercial, dizem querer formar um bloco econômico. Mentira. O que todos precisam, desesperadamente, é vender muito e comprar pouco. Como os americanos já foram aconselhados, até pelo próprio FMI, a reduzir à metade os déficits comercial e fiscal, todos estes países vão sofrer muito, com certeza.

SÁBADO SOLIDÁRIO

Amanhã, sábado, 06, em todas as lojas do Nacional Supermercados e do Hipermercado BIG no RS, acontece a ação Sábado Solidário, na qual, quem quiser participar pode levar alimentos não perecíveis para serem doados a entidades carentes das comunidades. A Sonae Distribuição Brasil, principal parceira do Banco de Alimentos do RS, participa desta ação, doando mensalmente 20 toneladas ao Banco. E no primeiro sábado de cada mês, suas lojas viram postos de arrecadação para que a comunidade também possa participar. Participe desta Ação Solidária, levando alimentos não perecíveis a uma das lojas do Nacional ou do BIG neste sábado.

TAM-LÍDER

A TAM, líder do mercado doméstico de aviação no Brasil, divulgou ontem o resultado do 3º trimestre de 2004: lucro de R$ 53,3 milhões. Uma bela reversão do prejuízo apresentado no mesmo período do ano passado que foi de R$ 12,5 milhões. O resultado, segundo a direção da TAM, foi fruto de uma administração severa de custos e de ganhos de produtividade aliados ao aumento do número de passageiros transportados. De julho a setembro, a TAM transportou 3,5 milhões de passageiros, 21,3% mais que um ano antes. A participação no mercado doméstico se expandiu para 36,35%, e no externo para 15,75%. Parabéns.

Leia mais

04 nov 2004

VOLTANDO À NOSSA REALIDADE


OPINIÃO DESINFORMADA

A cada reunião do Copom a imprensa fica enlouquecida, os empresários idem e a sociedade em geral acaba sendo vítima de uma opinião formada errada e de forma precipitada, o que leva todos para a uma mesma direção, sem ao menos procurar entender o problema. Percebam o que acontece:

REAÇÃO EM TRÊS NÍVEIS

1- Se o Copom promove uma redução da taxa básica Selic, embora festejada, nunca é suficiente para que a sociedade admita que tudo vai melhorar muito; 2- Se o Copom resolve manter no mesmo patamar do mês anterior, todos choram e esbravejam dizendo que o governo é o carrasco da economia e que não quer desenvolvimento. 3- E quando a decisão é pelo aumento da taxa básica, bem, aí é o fim do mundo. Todos, sem um mínimo uso do raciocínio, já procuram um hospital para se internar.

QUEBRANDO A CORRENTE

Tenho procurado me comunicar mostrando que as manifestações tem se caracterizado por um grande equívoco de lógica de raciocínio, pois os nossos problemas não aumentam aí. Ao contrário, diminuem. Infelizmente, porém, acabo sendo quase sempre massacrado por não fazer coro aos precipitados. Volto, pois, ao assunto para tentar me fazer entender para quebrar esta corrente de maus pensadores:

O PROBLEMA

A primeira constatação que ocorre quando o Copom se define pelo aumento da taxa de juros é a queda da taxa de risco no mercado. Isto já seria suficiente para entender boa parte do problema. Os investimentos, gente, crescem quando o risco cai. Quem ainda duvida disso, basta verificar qualquer série histórica dos últimos anos para que possa ser constatada esta verdade. O inverso também é verdadeiro, ou seja, quanto maior o risco, menor é o investimento no Brasil. Esta premissa básica é que deve nos levar a entender que o nosso problema está no risco-país, ingrediente poderoso na formação da taxa de juros e de todos os países deste mundo.

JURO: PRODUTO COMPOSTO

Ora, taxa de juro no Brasil e em qualquer lugar do mundo é um produto composto das seguintes variáveis: 1- Índice de remuneração do capital; 2- Índice de remuneração do risco; 3- Índice de remuneração da inflação; e, 4- Índice de remuneração do governo (imposto de renda), que no nosso caso é de 20% sobre todos os demais. O componente de maior expressão na composição da nossa taxa básica de juro é o risco, seguido da inflação. Bastaria, portanto, que o risco recuasse à metade do que está hoje e teríamos uma redução brutal dos spreads bancários.

O RISCO CONTROLA O INVESTIMENTO

Traduzindo: se o Copom aumenta a taxa Selic em um ponto percentual e, na contra partida o nosso risco-país recua 50 pontos (10%, aproximadamente) temos como resultado uma queda efetiva e brutal dos juros bancários. Por conseqüência, um notável aumento no nível de investimentos. Aí está, portanto, a prova de que o juro puro, em tese, controla a inflação, e o risco (quando superior ao juro puro) controla o investimento. Quando a imprensa perceber esta lógica e os empresários idem, a sociedade estará mais inteligente. E a economia mais tranqüila.

CONCLUSÃO

Hoje, o risco Brasil está perto de 450 pontos. Imaginem se estivesse no patamar do Chile, que é de 80 pontos. A situação seria bem melhor para as nossas contas públicas e privadas. O que está custando caro para nós, e que ainda propõe um risco elevado, foram as besteiras feitas no passado, como o não cumprimento dos contratos e a nossa moratória, ainda não esquecida no mercado internacional. Some-se isto ao discurso do PT antes da eleição de Lula (que está bem definido na série histórica do nosso risco-país) e fica bem mais fácil de entender.

COMBUSTÍVEIS

Como é inevitável que em algum momento seja feito o reajuste dos combustíveis, que o seja ainda este ano. Caso contrário, a inflação de 2005 é que será contaminada pelo alinhamento dos preços. Ao fazer ainda em 2004, ao menos deixa o problema no exercício findo.

Leia mais

03 nov 2004

BARBA, CABELO E BIGODE


POR QUÊ ESTOU FELIZ

Concluídas as eleições municipais no Brasil, volto a ter mais liberdade para fazer comentários e opinar sem receios de que os mesmos possam ser censurados pela lei eleitoral. Principalmente porque os meus comentários no PONTO CRITICO atiçam o prazer que certos políticos têm, antes mesmo de querer a vitória, de tentar enquadrar judicialmente quem se posiciona contra seus métodos ou sistema de governo. Por ter sido alvo de diversas perseguições por comentários feitos e, já tendo, inclusive, obtido condenação, preferi usar de formas mais sutis para fugir das antigas mas muito freqüentes denúncias.

MAIS LIBERDADE PARA OPINAR

Mesmo que impossibilitado de usar minha forma preferida e aguda para opinar, busquei outros expedientes para alertar, dia após dia, aos eleitores mais indecisos, sobre os riscos que constantemente rondam o nosso ambiente político e econômico. A presença rançosa, perigosa e vingativa do PT gaúcho, nos governos municipais, estaduais, e a sua participação no governo federal, foi constantemente apontada. Os resultados, felizmente, estão aparecendo. Já foi assim na última eleição para governador no RS e foi também assim nesta recente eleição municipal em Porto Alegre.

DE ALMA LAVADA

Não foram, por óbvio, os meus comentários que se mostraram decisivos para a saída do PT destes governos, assim como também em Pelotas e Caxias. Estou, porém, muito convencido de que o trabalho conjunto, embora com independência, de outros comunicadores, como Polibio Braga, José Barrionuevo, Diego Casagrande e Rogério Mendelski resultou importante para ficarmos livres da praga e da maldição petista. Livres deste laboratório de experimentos gramscistas, que muito serviu para levar ao Brasil o espírito comunista crescente que aqui nasceu e se proliferou. Não me sinto, contudo, vingado. Não é isto. A auto-estima é que foi recuperada. Estou, confesso, cheio de felicidade e de alma lavada. Cumprimento, pois, aos prefeitos eleitos em Pelotas (Bernardo de Souza), Caxias (José Ivo Sartori) e Porto Alegre (José Fogaça). Parabéns. Aproveito, inclusive, para cumprimentar a José Serra pela brilhante vitória em São Paulo.

ATITUDES SALVADORAS?

O governo Lula, como se sabe, está sempre procurando gastar o dinheiro do povo brasileiro com equivocadas atitudes pretensamente salvadoras em países que não gostam de democracia. Acenando com um programa de energia para Cuba, e de paz no Haiti, mostra que não faz o que deveria. Visa, na verdade, uma pura campanha política de desenvolvimento de um plano socialista, ou comunista, para a América Latina. Tudo, repito, às nossas custas e comprometendo mais ainda a nossa liberdade. Está mais do que claro que o atual governo quer formar e liderar o tal bloco latino-americano socialista. Isto, gente, está registrado nas atas do Fórum de São Paulo, que poucos falam. Agora, com as declarações sobre ajuda para o caso da energia de Cuba, chegamos ao cúmulo.

CAMINHOS A SUGERIR

No caso de Cuba, a única ajuda que caberia ser dada é a proposição para torná-la uma democracia. Este é o caminho que o governo brasileiro deveria apontar e sugerir para Fidel. E a partir daí, que sejam privatizados urgentemente os serviços públicos. Esta é a única solução inteligente e cabível. Nunca ficar usando o nosso dinheiro para financiar mais a ditadura. Já para o Haiti, o importante é saber se o povo quer ou não se organizar para que deixem de ser pobres e estúpidos. Sem a vontade dos haitinianos não adianta botar dinheiro fora impondo uma paz que os mesmos não querem.

DEMOCRACIA?

Um grande ensinamento que as nossas eleições sempre nos deixam, em qualquer nível, é que a nossa democracia é mesmo muito limitada. Serve, basicamente, só para eleger nossos representantes. E fica por aí. A retirada deles, antes do prazo de encerramento dos mandatos, é coisa muito pontual e a dificuldade é extrema. Aí uma prova de que não existe democracia, mas pura tolerância legal. Os vereadores, deputados e senadores, principalmente, fazem o que bem querem e mesmo assim permanecem nos seus cargos protegidos pela justiça, que lhes dá direitos incríveis como é o caso do foro privilegiado.

FORUM SOCIAL MUNDIAL

A primeira atitude do PT, após reconhecer a derrota flagrante nas urnas em Porto Alegre, foi declarar que o Forum Social (Comunista) Mundial deixaria de ser realizado na Capital do RS. Fantástico. Mais uma razão para que todos sejamos mais felizes. Além de nada a acrescentar, nem mesmo ao comércio, o Fórum transforma a cidade em ambiente de ocupação de barracas distribuidas em praças e parques. Como os eleitores já entenderam que um outro mundo é possível, resolveram que a melhora para todos seria a saída do PT de Porto Alegre. A grande lição.

ELEIÇÕES AMERICANAS

Embora não tenha sido definida matematicamente a eleição para presidente dos EUA, Bush vai levar mesmo a vitória. Fico satisfeito com o resultado, e como afirmei no início desta e-opinion, foi barba, cabelo e bigode. Aqui e lá. Assim é demais. E a nossa imprensa (bem feito) continua frustrada e se lamentando pelo resultado. A Globo, como cabo eleitoral de Kerry, chegou a divulgar uma pesquisa ridícula no Jornal Nacional, com grandes chances para o seu candidato. Se quebrou. Dez minutos depois as coisas se mostrarm muito diferentes. Viva.

Leia mais

29 out 2004

NÃO ADIANTA SER PASSIONAL


ELEIÇÕES AMERICANAS

O que acontece aqui nas nossas eleições, também acontece nos EUA. Os candidatos americanos também fazem promessas que jamais serão cumpridas. Mesmo assim, para os próprios americanos e para o mundo todo, algumas considerações precisam ser feitas a partir desta eleição para presidente: qualquer um que venha a ser o eleito, Bush ou Kerry, atitudes sérias precisarão e deverão ser tomadas daqui para frente. Vejamos:

TAMANHO

* 1- Não adianta ficar aborrecido com os EUA. A economia americana é de tal monta que representa, hoje, mais de 30% do PIB mundial. Se não temos condições de sermos grandes como eles deveríamos, ao menos, entender que o mundo todo precisa dos americanos. E basta que a economia dos EUA, cresça, nos próximos dez anos, a uma taxa de 2% ao ano e já vai se distanciar mais ainda de qualquer outro país, mesmo que cresça este muito acima deste percentual. A China, por exemplo, cantada em prosa e verso como uma ameaça aos EUA, mesmo que consiga crescer 10% ao ano, pelo mesmo período de 10 anos, conseguirá atingir um PIB de tão somente U$ 5 trilhões, o que ficaria com menos de 1/3 do PIB americano;

PROTECIONISMO

* 2- Quem chegar ao comando da maior economia do mundo vai precisar encarar decididamente a questão do brutal déficit comercial americano que vem se arrastando ao longo dos anos. E isto só será possível com atitudes protecionistas, podem ter certeza. Não vai, portanto, ter essa de país mais ou menos amigo. Todos os exportadores que vendem para os EUA vão precisar entender, sentir e provar mesmo o que é protecionismo. Os números apresentados são preocupantes e não deixam alternativa de pensamento;

SEGURANÇA

* 3- Outra coisa que é preciso entender: se os EUA, por serem maior economia do mundo, não tratarem das questões de segurança no mundo, alguém terá condições para fazê-lo? Não! Ninguém está tão preparado para enfrentar tais situações. Então, vamos esquecer esta bobagem repetitiva de pedir paz com tantas ameaças que o mundo cria e desenvolve. Alguns, ou muita gente, pode até não gostar dos americanos, mas é impossível viver sem eles e sem as suas atitudes. Eles têm, não esqueçam, mais de 30% do PIB mundial;

UNIÃO EUROPÉIA

* 4- Não adianta buscar refúgio na UE. Assim como os EUA, a Europa vive seus grandes dramas. Assim, não servirá como alternativa para uma exportação brasileira sem parar. Os europeus se debatem diariamente com grandes problemas de competitividade, com muitos países recém entrantes na Comunidade, e outros tantos que querem por que querem fazer parte da mesma. Portanto, o protecionismo tende a ser cada dia maior nos blocos econômicos;

ALCA

* 5- Pela forma com que está hoje definitivamente desenhado o mundo econômico, resta para os países latinoamericanos, uma urgente e necessária participação na ALCA. Esta, caros leitores, é a única saída para os países sul-americanos como é o caso do Brasil, que até hoje se mostra hesitante e desinteressado em participar. Olha, gente: é lógico que precisamos negociar ao máximo, sem ingenuidades, mas é imprescindível mostrar muito interesse. Não que deixaremos de exportar para muitos países com ou sem participação na ALCA, mas as restrições internacionais não deverão diminuir. Ao contrário, vão aumentar e muito;

O EXEMPLO TURQUIA

* 6- Chamo a atenção de que a Turquia, por exemplo, está fazendo de tudo para convencer os europeus de que precisa fazer parte da UE. E nós, aqui, estamos fazendo de tudo para não entrar na ALCA. A Europa toda está preocupada com a Turquia por ser um país de grande população, o que pode representar uma invasão de turcos na UE. Os alemães, nesta questão, se mostram mais preocupados, pois, segundo eles já existem turcos em demasia na Alemanha e estão convencidos de que é para lá que muitos deles vai querer residir.

PETRÓLEO E INFLAÇÃO

O BC está absolutamente certo quando embute o preço do petróleo no impacto inflacionário do país. A Petrobrás, querendo passar por independente demais nesta questão que envolve um necessário reajuste dos combustíveis, está muito equivocada e presunçosa. Não é possível que o Brasil fique à margem do que acontece no mundo todo. Ou ajusta os preços ou deixa de ter parceiros nos investimentos em energia. Por pura desconfiança. Gente, ninguém é bobo no mundo. Nós é que estamos querendo ser idiotas e fortemente vulneráveis. E o pior é que precisamos desesperadamente de investimentos.

Leia mais

28 out 2004

MOVIDA PELA INVEJA E FRUSTRAÇÃO


A FRUSTRADA

A petíssima, ou petérrima Maria da Conceição Tavares até que andava recolhida, esquecida e ausente dos noticiários. Magoada e frustrada por não ter sido convidada a participar da equipe econômica do governo Lula, por quem se emprenhou bastante para que chegasse à presidência, nem por isso deixou de ficar atenta aos acontecimentos. Ainda é cedo para saber se quer voltar a fazer parte dos noticiários, mas, de qualquer forma, já usou o expediente para insultar aqueles que ocupam os cargos que ela tanto gostaria de estar à frente.

COERÊNCIA

Numa das declarações aproveitáveis, quando Dona Conceição afirmou que não existe macroeconomia de esquerda, mostrou coerência. Esta revelação, que desde o primeiro dia de governo venho escrevendo e falando, mostra que tem mais efeito quando é dita pelos próprios petistas. Observem que a sociedade empresarial, totalmente embriagada pelas políticas monetarista, cambial e fiscal adotadas pelo BC, fez com que confundissem o regime socialista do atual governo como se fosse um novo capitalismo.

POLÍTICA CONSERVADORA?

Conceição Tavares preferiu nominar a atual política macroeconômica como conservadora. Aí errou mesmo. O BC não tem nada de conservadorismo, mas de austeridade e coragem para defender a moeda a ponto de enfrentar toda a sociedade com elevação dos juros como está fazendo. Não tenho notícias se Dona Tavares continua ministrando aulas de economia. No entanto, tenho muita pena daqueles que vão na mesma direção da mestra. Em várias oportunidades em que se manifestou sobre a nossa economia, esbravejou defendendo tudo aquilo que os caloteiros defendem. Por isso, talvez, nunca tenha sido escolhida para ocupar cargo neste governo.

A INVEJOSA

Ao declarar que os diretores do BC se aproveitam do cargo para depois ficarem ricos, chamando-os de "falcões", Conceição Tavares ainda não sabe que até no futebol é a mesma coisa. Ao serem convocados para a Seleção, os atletas passam a ter preferência na contratação por diversos clubes. E ganham mais dinheiro com isto. Alguma coisa errada? Passam a ser falcões? Creio que o sentimento da economista é mesmo de inveja.

LINHAS MAIORES

O que Conceição Tavares acabou confessando, e isto é que importa, é que o regime socialista, de esquerda, aparece claramente através de outras políticas. E usou a educação com grande símbolo da chamadas \"Linhas Maiores\" de governo. É aí, pois, que precisamos ter cuidados, coisa que os festejos para com a política econômica acertada está fazendo com que ninguém perceba os avanços do socialismo no Brasil.

ALTA DO EURO

Se viajar para a Europa já era proibitivo pelo alto custo de vida lá, imaginem com o preço do euro se elevando dia após dia. Na semana passada quando informei que o aumento do preço do petróleo se justificava também pelo aumento do euro, aí está a prova. Os próprios europeus afirmam que o valor do euro ao menos ameniza a alta do óleo.

RESQUÍCIOS DA FEIRA K - RAQUETAS

Já faz bastante tempo que as raquetes de tênis são feitas com plástico e, que por isso contribuem para um melhor rendimento dos jogadores. Ao longo do tempo as raquetes passaram por muitas transformações, como se viu da K 2004. No final dos anos 90, o maior segredo estava nas raquetes ?wide body?, onde sua base de plástico era reforçada com fibra, o que lhe dava grande rigidez. As cordas não precisavam ser tão estendidas e isso aumentava o efeito da bola. Na década de 80, contudo, John McEnroe, isto vale a pena relembrar, usando uma novíssima raqueta de plástico destronou o então campeoníssimo Björn Borg. Borg, assim como muitos outros tenistas, ainda utilizava uma raquete feita de madeira. Como não suportou a derrota, na época, Borg apelou para a tentativa de impedir o uso das raquetas de plástico. Chegou, inclusive, a exigir que proibissem aquele tipo de raqueta nos torneios internacionais. Coisa que jamais foi aceita, como se sabe.

SONAE

O Nacional Supermercados lança juntamente com o Governo do RS a Semana da Cultura, que acontece de 29/10 à 12/11. As atividades serão no Cáis do Porto - Armazém A4 -, com shows diários a partir das 21h30 e também a exposição do pintor Carlos Paez Vilaró nas Salas Negras do Margs. Sorte Dupla É a nova campanha dos Hipermercados BIG, que começa hoje, 28, e vai até o dia 26/11. Acima de R$50,00 em compras o cliente recebe uma rasgadinha (para concorrer a 330 mil prêmios instantâneos) e um cupom para preencher e concorrer a um Fiat Novo Pálio por loja.

Leia mais

27 out 2004

FEIRA K 2004 ? DÜSSELDORF - ALEMANHA - 3


POLIMARKETING

Segundo Luiz Hartmann, diretor da Polimarketing, a maior distribuidora de resinas plásticas para o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, a empresa deve fechar o ano de 2004 com crescimento nas vendas na ordem de 15% sobre o ano anterior. Uma prova de que o setor plástico cresce três vezes o que cresce a economia, tradicionalmente.

PREÇOS

Com a alta continuada dos preços do petróleo, a nafta, sendo um subproduto que produz as resinas plásticas, cujo preço é definido pelo mercado internacional, já teve aumento de 60% neste ano. Mesmo assim tem encontrado um mercado bastante aquecido. Tudo porque o preço das matérias primas sucedâneas também tem aumentado bastante no mundo todo, o que não provocou a substituição do plástico por outros materiais.

SEGURANÇA

Outro detalhe importante neste Brasil de tanta insegurança é o transporte de cargas valiosas, como é o caso das resinas plásticas. Pelos preços que estão e por ter alta liquidez é muito arriscado andar nas nossas rodovias. Para tanto, afirma Hartmann, a Polimarketing adquiriu uma nova frota de 12 veículos, totalmente equipada e monitorada por GPS, a qual já esta em operação.

INFORMAÇÕES DA VIAGEM - HOSPEDAGEM

Querer ficar em hotéis nas cidades onde são realizadas as feiras na Alemanha, só com uma grande antecedência. Não há rede hoteleira suficiente para tanta gente. A solução, portanto, é buscar alojamento nas cidades mais próximas, ou seja, dentro de um raio de 100 km. Com formas de locomoção extremamente facilitada e diversificada, isto não diminui o conforto de quem fica em Dortmund, por exemplo.O preço das diárias de hotéis aumenta na razão direta das feiras que acontecem na Alemanha. A feira K, por ser muito visitada, propõem um aumento de preços que chega a 100% em alguns casos. E os hoteleiros dizem isto com toda a transparência, sem constrangimentos. É pegar ou largar.

LOCOMOÇÃO

Fiquei hospedado desta vez em Dortmund. Uma belíssima cidade com um comércio forte e repleto de restaurantes. Os trens partem de hora em hora para Düsseldorf, cuja viagem leva 01h:07m cravados, com paradas em Bochun, Essen, Duisburg e Mulhein. O ingresso para a feira inclui e dá direito a uso de todos os transportes coletivos na 2a classe. O trecho Dortmund ? Düsseldorf, no entanto, custa 9 euros ida e volta. Funciona dia e noite.

ALIMENTAÇÃO

A comida alemã, como é sabido, tem batata em todos os pratos servidos. E é muito gordurosa. Na rua o melhor é comer o famoso bratwurst com mostarda e pão. Imperdível. Em Düsseldorf, após a feira, todos vão para o centro da cidade onde há uma grande área gastronômica Ali, mesmo com uma espera que chega à uma hora, o negócio é sentar às mesas já ocupadas. Um hábito que nós não temos aí, mas, com certeza é uma maneira de conversar com pessoas de alguma parte do mundo. No idioma que ambos conhecem, ou em mímica universal.

ENCERRAMENTO

A Feira K chega hoje ao seu final. Depois desta verdadeira maratona, encerro também esta etapa Europa, de cobertura destas duas importantes Feiras. De malas prontas, saio da Alemanha com destino a Paris onde pego o avião da TAM, parceira importante nestas coberturas internacionais. Retorno ao Brasil a tempo de buscar, no voto, a vitória eleitoral. É o que todos os racionais esperam. Até aí.

SISTEMA ELEITORAL INTELIGENTE

A nossa mídia mais expressiva é pouco criativa. Mais: é extremamente conservadora. Todos devem estar lembrados que, na eleição em que Bush ganhou a presidência dos EUA, os brasileiros estavam tão orgulhosos com o sucesso da urna eletrônica, que preferiram criticar os EUA por precisarem fazer recontagem de votos na Flórida. Esta preocupação deve ter impedido de criticar o nosso sistema e propor mudanças para tornar as nossas eleições mais efetivas. Como, por exemplo, votar por antecipação. Lá nos EUA muita gente já esta fazendo isto para evitar os contratempos do dia 02 de novembro, como viagem, trabalho, etc... Aí no Brasil, enquanto mais se fala no grande obstáculo do segundo turno - o feriadão de finados -, não seria melhor propor uma medida idêntica à dos americanos? Vejam o nosso paradoxo: somos bastante desenvolvidos por ter urnas eletrônicas; ao mesmo tempo somos extremamente subdesenvolvidos a ponto de sequer poder substituir o dever pelo direito do voto, sem falar que também não podemos exercitá-lo por antecipação. Que tal?

Leia mais